terça-feira, 9 de junho de 2015

E o príncipe encantado cadê?

Você sai de um abismo, uma relação infeliz, jura para o mundo e o universo que nunca mais vai se apaixonar de novo por homem nenhum. Até que num determinado dia sua promessa falha, porque nem o mundo e tão pouco o universo naquele dia deram ouvidos para o que você falava.

E aí minha filha, você encontra um boy, conversa vai, conversa vem, as coisas começam a mudar de figura. De imediato ele conta logo tudo sobre a vida dele, em uma fração de segundos você sabe quem ele namorou, por onde andou, como dorme, o que gosta de comer e se brincar o valor do contra cheque. Aí você pensa: Puta que pariu! Se ele falou da vida dele todinha, todinha, todinha (é pra enfatizar mesmo), é porque está muuuuiiito a fim. Dia seguinte ele já faz todas as promessas possíveis, imagináveis e até aquelas que você jamais conseguiu imaginar. Pois é, lá vem o anjinho caindo pelas tabelas, embrigado de paixão, bombardeando a mente da pessoa, e você insisti em pensar: Minha nossa senhora das encalhadas é esse o homem que eu quero pra minha vida. E ainda pra fechar e lacrar, o boy diz que quer viver o resto da vida dele ao seu lado até o último respiro, (soou meio romântico isso não foi?). Aí lascou! A essa altura a pessoa já está convicta de ele não só é o homem da vida como também foi enviado pelo todo poderoso.

Primeiro ano é tudo uma maravilha! Amor vai, amor vem, cada encontro parece o final feliz de todos os contos de fadas juntos. Todas as promessas se mantêm, todas as juras de amor se intensificam, engraçado que a memória é infalível, porque esse danado desse boy é capaz de lembrar até do momento que você suspirou e virou os olhinhos em uma determinada frase que foi dita, se brincar lembra a hora exata (sul real eu sei, mas é mais ou menos por aí, vai por mim que é assim).
E continua naquele romance meloso, ele diz que tudo que é dele é seu, tudo que é seu é dele, inclusive a senha de todas suas redes sociais (achou que só nós mulheres agimos assim né?) Tão fofo não é mesmo! Na cabeça da pessoa que está na caixa da expectativa tudo isso é amor, é cut cut.

Segundo ano ainda tem amor vai, amor vem, mas os defeitinhos começam a aparecer, algumas críticas já não são bem-vindas , perguntas como: Amor quem é aquele que você adicionou no Facebook? Conhece de quanto tempo? Começam a incomodar! Parece que você não tem AMIGAS, o fato de não atender uma ligação ao primeiro toque já quer dizer que seu tempo é apenas para os AMIGOS, (isso porque ele correu lá no face pra ver se você está ativo). Mas ainda é amor, a pessoa fica naquele achismo que o ciúmes faz parte, que é praticamente da família pode entrar e ficar. Só que agora a cabeça começa a entrar no meio termo entre a expectativa e a realidade.

Terceiro ano minha amiga, a coisa muda de figura. Tudo é proporcional ao tamanho do amor, as cobranças, as exigências, discussões por bobagens, os horários são controlados, os amigos da rede social deixaram de ser sociais... Me digam como o boy não tem tempo pra nada, mas tem tempo pra controlar quando você fica ativo no Facebook, no whatsapp? O camarada já começa a sofre de Alzheimer, porque tudo de bom que aconteceu ele não lembra mais, só consegue lembrar e ainda insiste em apenas lembrar das coisas ruins. Benditas sejam as redes sociais! A essa altura amor vai, amor vem, já se tornou bom dia, boa noite e sua cabeça começa a ocupar a caixa da realidade. Percebe que seguir a diante já não vale tanto assim. E aí? Cadê o príncipe encantado que queria viver ao seu lado até o último respiro?

O fato é, que a pessoa tem sempre a terrível ilusão de achar que um dia o príncipe encantado vai surgir. E por mais que jure para o mundo e o universo que não vai se apaixonar nunca mais... Vai sim! E que os boys da vida não mudam, não são diferentes uns dos outros, eles apenas tem tempo determinado para colocar as garrinhas de fora, uns antes outros depois da separação. Mas isso é assunto pra outro post.

Ah! A propósito, príncipe encantado é só nos contos de fadas, que por sinal são fictícios. #ficaadica


Beijos e até a próxima!